Bom Dia Leitores – Bloco 3

Voltamos com o último bloco.

Policia

Entenda a ocupação feita por alunos em prédios da USP

Quem participa da manifestação?
Alguns estudantes da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e servidores ligados ao Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp).

Quais as reivindicações dos manifestantes?
Eles querem a revogação do convênio firmado entre a USP e a Polícia Militar para fazer a segurança na Cidade Universitária e a retirada de processos administrativos e criminais movidos contra alunos e funcionários pela instituição. De acordo com os manifestantes, esses processos são políticos, impetrados pela USP para intimidar o movimento estudantil.

O uso de drogas dentro da Cidade Universitária faz parte dos pedidos?
Não. Todo o movimento teve início após a apreensão, pela PM, de três estudantes que portavam maconha no dia 27 de outubro. Esse foi o estopim para denunciar o que, segundo os manifestantes, representa a truculência da Polícia Militar no campus. Primeiro, os alunos ocuparam o prédio da FFLCH. Depois, em assembleia, decidiram ir para a reitoria. O uso de drogas dentro da Cidade Universitária, na Zona Oeste de São Paulo, nunca fez parte da pauta do movimento.

Por que os estudantes cobrem o rosto?
Eles têm receio de que, uma vez identificados, possam ser processados pela universidade – já que uma das reivindicações é justamente a retirada de processos que, segundo os manifestantes, foram movidos com fins políticos e para coibir as vozes contrárias à reitoria.

O patrimônio da USP foi destruído?

Em 03 de novembro, a reitoria divulgou dois vídeos do momento em que os manifestantes entram no prédio ocupado. O portão de acesso e uma câmera de segurança foram danificados. Os estudantes dizem que não houve outros danos, mas não permitem o acesso ao interior do imóvel – nem por funcionários que não fazem parte do movimento, nem pela mídia.

A ocupação está causando transtornos na USP?

Com a reitoria ocupada, muitos serviços administrativos ficam prejudicados. O próprio reitor, João Grandino Rodas, está despachando de outro lugar. Mas as aulas não foram interrompidas.

O que diz a direção da USP?

Na segunda-feira (7), uma comissão de negociação da reitoria reuniu-se pela segunda vez com representantes dos manifestantes e fez a proposta de criar dois grupos de trabalho mistos – formado por todos os envolvidos. Um deles teria a função de discutir uma forma de policiamento comunitário no campus, com respeito aos direitos humanos. O outro examinaria os processos administrativos citados pelos manifestantes para avaliar uma eventual retirada das queixas. A revogação do convênio entre USP e Polícia Militar, no entanto, foi descartada pela direção da universidade.

Todas as informações foram tiradas do G1, xau gente!

Sobre Thiago Ferreira

Estudante da Escola Austríaca de Economia, é comentarista político e corresponde em Natal - Rio Grande do Norte.

Publicado em 09/11/2011, em Audiencia de Canal e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe a sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: